No Dia do Combate à Exploração Sexual, Carol Braz defende ampliação de políticas públicas na área


Ascom Carol Braz
18/05/2022

Projeto de sua autoria na Defensoria Pública do Amazonas recebeu reconhecimento nacional ao vencer o 18º Prêmio Innovare, que premia as melhores práticas jurídicas do País

No Dia Nacional do combate ao Abuso Sexual, a pré-candidata ao governo do Amazonas, a defensora pública Caroline Braz (PDT-AM), participou ao lado do pré-candidato pedetista ao Senado, Luiz Castro, de evento alusivo à data realizada por movimentos das sociedade civil organizada, órgãos governamentais, entre outros atores sociais. A ação, que busca chamar atenção para a problemática da violência e exploração sexual de crianças e adolescentes no Amazonas, aconteceu na sede da Delegacia da Criança e Adolescente, no conjunto Morada do Sol, Aleixo, Zona Sul de Manaus.

A pré-candidata, que é ex-juíza de direito pelo estado de Roraima, tem forte atuação na defesa de crianças e jovens em situação de vulnerabilidade social. Recentemente, projeto de sua autoria na Defensoria Pública do Amazonas recebeu reconhecimento nacional ao vencer o 18º Prêmio Innovare, que premia as melhores práticas jurídicas do país.

Na ocasião do evento, Carol falou sobre a importância de se ampliar as políticas públicas para crianças e jovens e disse que a atenção para a questão deve ser para além da data. No Brasil, cerca de 500 mil crianças são vítimas de violência sexual. No Amazonas, são cerca de 800 casos (registrados) por ano desse tipo de crime.

“Esse dia de luta não pode ser esquecido, porque é a partir da contribuição dos movimentos sociais e da sociedade civil que iremos avançar”, diz ela, que acredita que, na estrutura da delegacia, há espaço para a criação de um Centro Integrado de Proteção à Criança. “Esperamos, que no ano que vem, nós tenhamos um 18 de maio de esperança, de concretude e de ações púbicas para essas crianças, que são o que nós temos de mais importante”, declarou.

O pré-candidato ao Senado pelo PDT, Luiz Castro, também reafirmou a necessidade de dar maior proteção aos casos de exploração sexual no Amazonas.

“Eu e Carol somos militantes da luta contra a exploração sexual. Ela, que é ex-juíza e defensora pública, tem um histórico de atuação em defesa de crianças e adolescentes na Defensoria Pública”, elogiou.