Waldez recebe comunidade da Pedreira

Comissão formada por técnicos do governo vai estar na comunidade no dia 01 de outubro

O governador do Amapá Waldez Góes recebeu nesta terça-feira, 25, no Palácio do Setentrião cerca de 40 líderes comunitários da região da Pedreira, Distrito de Macapá. No encontro, os representantes das comunidades apresentaram as principais demandas nas áreas da saúde, educação, energia elétrica, abastecimento de água, telefone público, ramais, reforma de centros comunitários, segurança pública e infra-estrutura.

Uma comissão formada por técnicos das Secretarias de Infra-Estrutura, Transporte, Educação, Polícia Militar, Companhia de Eletricidade do Amapá e Companhia de Água e Esgoto do Amapá fará um levantamento das principais demandas para compor um relatório que será entregue ao governador. Os trabalhos começam na segunda-feira, 01 de outubro.

Para o governador, os encontros com as lideranças são importantes para que o poder público tome conhecimento dos problemas e providencie, dentro das limitações orçamentárias, a execução de obras, reformas e compra de equipamentos. “Temos mantido ao longo do primeiro e agora no segundo mandato um diálogo bem próximo com a comunidade. Nada mais justo do que a própria população sugerir o que ela quer para sua região, município ou localidade”, explica.

O agente distrital da Pedreira, Manoel Corrêa, conhecido como “Manduca”, considerou histórico o momento. Para ele, só o fato do governador receber as lideranças é um sinal de que tem boa vontade em atender as reivindicações. “Não tenho dúvidas de que após a visita na segunda-feira boa parte dos problemas será resolvida a curto e médio prazo”, acredita.

No final do encontro, o governador se comprometeu em comprar uma voadeira e um motor para doar a região da Pedreira. O veículo será utilizado no transportes de pacientes de regiões distantes que necessitam receber atendimento médico. Waldez também disse que uma viatura será deslocada para fazer o policiamento na região. “São muitas demandas. Creio que aos poucos vamos conseguir atendê-las”, finaliza.