Vieira participa de encontro da IS na República Dominicana

Vice-presidente da Internacional Socialista, o deputado Vieira da Cunha(RS) participou de reunião do Conselho da IS em Santo Domingo, República Dominicana, ocorrida nos dias 23 e 24 de novembro. No encontro, que teve como tema “Superando a Desigualdade, Criando Empregos e Enfrentando a Pobreza na Economia Mundial”, Vieira destacou, em seu pronunciamento, 
a reação do Brasil à crise mundial durante este ano. O presidente do PDT salientou que o país tem sido referência  em todo o mundo e que essa reação à crise  se deu, principalmente,  graças às ações de Governo.  “O Estado Brasileiro vem cumprindo o seu papel de indutor do processo de desenvolvimento e de aplicador de políticas públicas de inclusão social.” Íntegra do discurso.

REUNIÃO DO CONSELHO DA INTERNACIONAL SOCIALISTA

Santo Domingo / República Dominicana

(23 e 24 de novembro de 2009)


Em primeiro lugar, permitam-me agradecer ao nosso anfitrião, Partido Revolucionário Dominicano, em especial ao seu presidente, MIGUEL VARGAS, pela hospitalidade.
Não posso deixar também, ao iniciar minhas breves palavras, de cumprimentar nosso presidente, GEORGE PAPANDREOU, pela sua recente eleição para o cargo de Primeiro Ministro da Grécia.
Não há nada mais adequado do que ter um presidente da Internacional Socialista como Chefe de Governo da Grécia.
Isto porque o compromisso histórico da nossa Organização é com a Democracia. E a Democracia surgiu exatamente na Grécia.
Então, companheiro Papandreou, Vossa Excelência está no lugar certo.
Parabéns!
Mas parabéns principalmente ao povo grego que teve a clarividência de escolhê-lo como Primeiro-Ministro.
A Grécia está em boas mãos e nós, da Internacional Socialista, estamos orgulhosos, orgulhosos e felizes por ver o Presidente da nossa Organização governando um dos mais importantes – e dos mais belos e fascinantes – países do mundo. 

Companheiros e Companheiras: 

Feita a merecida homenagem ao nosso Presidente, quero dizer algumas palavras sobre o tema “Superando a Desigualdade, Criando Empregos e Enfrentando a Pobreza na Economia Mundial.”
Recordo-me do nosso encontro na Guatemala, em março, quando em afirmei que o Brasil começava a reagir à crise. Lembro-me de ter dito que após sucessivos meses de crescimento do desemprego, acabávamos de ter um saldo positivo de 9.000 empregos no mês de fevereiro de 2009.
Pois agora, neste mês de outubro, passado um ano da crise do capitalismo financeiro internacional, o Brasil gerou 230.956 novos empregos formais, em um mês, e a projeção é de que fecharemos este difícil ano de 2009 com um saldo positivo, no ano, de mais de 1 milhão de novo empregos gerados no país. 

Analistas internacionais projetam um crescimento de 5% do PIB do Brasil para 2010.
Ou seja: já estamos enxergando a crise, felizmente, pelo espelho retrovisor. 

E como isso foi possível? Por que o Brasil tem sido uma referência positiva neste quadro de enormes dificuldades por que passa o mundo?
São várias as causas, mas as principais, sem dúvida, são as AÇÕES DE GOVERNO, ou seja, o ESTADO BRASILEIRO vem cumprindo o seu papel de indutor do processo de desenvolvimento e de aplicador de políticas públicas de INCLUSÃO SOCIAL. 

Quando eclodiu a crise, já estava em curso no Brasil o PAC – Programa de Aceleração do Crescimento, num audacioso plano de execução de importantes obras públicas no país. Até o próximo ano, serão investidos 300 bilhões de dólares em obras de infra-estrutura e logística, em energia, rodovias, ferrovias e hidrovias, portos, aeroportos e saneamento básico.
Por outro lado, a pobreza vem sendo combatida com um eficaz programa social de renda mínima chamado “Bolsa Família”, que já retirou da pobreza extrema mais de 30 milhões de pessoas no Brasil.
Dezenas de milhões de pessoas, antes marginalizadas, passaram a ser consumidores, ampliando o mercado interno, o que foi muito importante para a superação da crise. 

Contribui também decisivamente para a superação da crise no Brasil a política de valorização do salário mínimo, hoje no patamar de 270 dólares americanos.
Durante o Governo Lula, o salário mínimo teve aumento real superior a 60%.
Proclamo esses números com indisfarçável orgulho porque está sob nossa responsabilidade o Ministério do Trabalho.
O Presidente licenciado do meu Partido, o Partido Democrático Trabalhista, Carlos Lupi, é o Ministro do Trabalho e Emprego do Brasil.
Merece também uma menção especial outro programa social recentemente lançado no Brasil, chamado “Minha Casa, Minha Vida.”
Por esse programa, até 2010 serão construídas 1 milhão de casas populares no Brasil, solucionando um dos nossos maiores problemas sociais, o déficit habitacional.
Na esteira de boas notícias, a PETROBRAS, descobriu recentemente enormes reservas de petróleo na costa brasileira, na chamada camada “pré-sal”.
Está sendo votado pelo Parlamento brasileiro, neste momento, um marco regulatório para o Pré-Sal. A ideia é destinar os vultosos recursos provenientes da exploração do petróleo a um fundo que terá o papel de financiar projetos nas áreas de educação, cultura, tecnologia e meio ambiente.
Outro fato que vem sendo importante para a superação da crise é a inserção do Brasil no comércio internacional.
Nos 7 anos do Governo Lula, nossas exportações passaram de 60 bilhões de dólares, em 2002, para 197 bilhões de dólares em 2008, e se diversificaram de forma notável.
Embora nossas vendas para os EUA e Europa também tenham aumentado nesse período, cresceram muito mais as nossas exportações para a Ásia, América Latina e África.
A China é, desde alguns meses, o nosso principal parceiro comercial, e a América do Sul, que em 2002 era o destino de 19% de nossas exportações, já responde, neste ano de 2009, por 26% das exportações brasileiras.
Um leque maior de parceiros comerciais nos deu, por óbvio, uma boa margem de manobra para enfrentar as adversidades geradas pela crise. 

Companheiros da Internacional Socialista:
Toda essa atmosfera positiva resultou em duas recentes e importantes conquistas para o meu país: o Brasil sediará a Copa do Mundo de Futebol em 2014 e os Jogos Olímpicos em 2016, para os quais estão, desde já, todos os companheiros e companheiras da IS convidados.
Queremos recebê-los no Brasil, em 2014 e em 2016, com um país ainda melhor, com mais empregos e oportunidades, com mais igualdade e com mais justiça social. 

Muito Obrigado!


Carlos Eduardo Vieira da Cunha,
Presidente Nacional do PDT
Vice-Presidente da IS