Trabalhadores da Varig protestam no Rio de Janeiro

rabalhadores do Grupo Varig (TGV) realizaram manifestação neste domingo (15/6) na praia de Ipanema, Zona Sul do Rio de Janeiro, exigindo o pagamento de suas indenizações – nenhum recebeu até hoje seus direitos trabalhistas – e criticando o fechamento da maior companhia aérea da América Latina em uma obscura transação apesar do esforço que fizeram, trabalhando de graça, para impedir o fim da empresa.
 
Participaram também da passeata aposentados do fundo de pensão Aerus na tentativa de sensibilizar o governo e a população para a situação da antiga Varig, credora de dívida de R$ 3 bilhões, mas abandonada a própria sorte devido a decisões judiciais suspeitas que deixaram os trabalhadores – cerca de 10 mil, especializadíssimos – sem qualquer tipo de amparo.

Algumas centenas de pessoas vestidas com o uniforme da companhia e carregando faixas e cartazes estiveram presentes ao ato neste domingo (15/6), muitos deles repercutindo denúncias publicadas na imprensa nos últimas dias  a partir da presença no Congresso Nacional da ex-diretora da ANAC (Agência Nacional de  Aviação Civil), Denise Abreu.
 
Apesar das denuncias dos trabalhadores do grupo Varig, a empresa foi vendida a três laranjas de um fundo de pensão norte-americano – em total e absoluto desrespeito as leis vigentes no país. Os trabalhadores da Varig ainda tentaram, através de seu fundo de pensão, adquirir a empresa e recuperá-la – como forma de garantir a continuidade dos 10 mil empregos especializados da Varig – mais dois juízes, um no Rio de Janeiro e outro em São Paulo, e mais a ANAC e o próprio governo federal – impediram que a Varig continuasse a funcionar, fechando-a com base na chamada “lei de recuperação judicial”.

Surgiu a chamada “nova Varig”, comprada pelo fundo de pensão norte-americano e meses depois revendida à Gol por cinco vezes o preço original, numa transação até hoje não explicada – enquanto os funcionários da Varig, os que protestavam ontem nas ruas de Ipanema, ficaram sem salários, emprego ou qualquer tipo de indenização até hoje.