Projeto de Gurgacz obriga SUS a oferecer implante de válvula aórtica por cateter

OM - Ascom PDT / MC

 

A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado aprovou nesta quarta-feira, 18, o projeto de lei 688/2015, de autoria do senador Acir Gurgacz (PDT-RO) que obrigará o SUS a fornecer, sem custos ao paciente, o implante de válvula aórtica em idosos que sofrem de estenose aórtica degenerativa, através de cateter. O projeto foi aprovado de forma terminativa na CAE e será encaminhado à Câmara dos Deputados.

Este implante da válvula aórtica, a famosa “molinha do coração”, é feito pelo SUS através de cirurgia de peito aberto, com alto risco de morte e redução da qualidade de vida do paciente após a cirurgia. Quando feito através de cateter, além da redução do risco de morte, o paciente ganha qualidade de vida e sobrevida considerável. “Com este procedimento moderno e menos invasivo, vamos salvar vidas, além de melhorar a qualidade de vida e prolongar os anos dos pacientes dessa doença que estreita o canal da veia aórtica”, salientou o senador Acir ao defender a aprovação da matéria.

A técnica de implante da válvula aórtica por meio de cateter foi aprovada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) em 2012. Os médicos da Associação Brasileira de Cardiologia Intervencionista (ABCI) reconhecem que a técnica de implante de válvula aórtica por cateter é um procedimento seguro e eficaz para corrigir a obstrução em pacientes idosos com estenose aórtica e contraindicação para cirurgia.

“Esse projeto traz uma esperança de vida para esses pacientes que não possuem outra maneira de tratamento e que também não possuem condições financeiras para arcar com um tratamento que não é coberto pelo SUS”, salientou o presidente da ABCI, Marcelo Cantarelli.