PDT mineiro reúne direções municipais para organizar convenções

FLB-AP/Bruno Ribeiro26/09/2017

Mobilizar para fortalecer a organização partidária em todo o estado. Com esse objetivo, o PDT de Minas Gerais iniciou nessa segunda-feira (25), na sede estadual , em Belo Horizonte, o primeiro encontro regional da série que ocorre neste ano. Com presidentes municipais e parlamentares de 17 municípios, a atividade intensificou os preparativos para as convenções programadas para este ano.

Na abertura, a secretária-geral do partido, Sírley Soalheiro reafirmou que a integração potencializará os resultados das próximas eleições.

“A partir da liderança do presidente Mário Heringer, procuramos qualificar nossos quadros e estruturar uma chapa completa em Minas Gerais. Isso gerará um impacto positivo direto na pré-candidatura de Ciro Gomes a presidente da República”, argumentou Sírley.

Ao apresentar os procedimentos e rotinas para realização das convenções a partir das determinações do Tribunal Regional Eleitoral e do partido, Soalheiro também chamou a atenção para os detalhes referentes à inscrição das chapas e à composição e registro do diretório e da executiva municipal.

O evento, que buscou contemplar todas as regiões de Minas, também permtiu o debate sobre as conjunturas polítcas nacional e local, bem como o engajamento no projeto de núcleos de base do PDT.

“Pela nucleação, conseguiremos fortalecer o PDT a partir da mobilização e organização da militância. Essa é a essência do partido. Com o povo integrado, vamos lutar pelo Brasil que todos nós sonhamos”, afirmou, o secretário de Comunicação da Fundação Leonel Brizola – Alberto Pasqualini (FLB-AP), coordenadora nacional do projeto.

“No site da Fundação (www.flb-ap.org.br), é possível acessar a cartilha, que reúne todas as informações sobre a formação das células, bem como oficializar o cadastro dos integrantes”, completou.

Na sequência, o advogado do partido, Jorge Washington, chamou a atenção para as alterações existentes na legislação partidária, que incluem novidades na regulamentação das siglas. “Com o objetivo de ampliar o controle e a transparência em todos os níveis, destaco as regulamentações de naturezas distintas às existentes na área eleitoral, que incluem pontos nas áreas administrativa, civil, fiscal e tributária”, apontou.

O assessor jurídico também relatou a mudança da inscrição das siglas, que saíram de associação civil sem fins econômicos para pessoa jurídica de direito privado, bem como a obrigação de produção da RAIS e da Escrituração Contábil Fiscal (ECF).