PDT-RS deixa governo Sartori de olho em candidatura própria

Por Wellington Penalva - Foto: Wilson Cardoso/PDT10/04/2017

Lupi vai ao Rio Grande do Sul, participa de saída pedetista do governo do estado e evoca independência para levar o partido em sua essência às urnas

Ao longo desta segunda-feira (06), o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, participou de várias reuniões partidárias em Porto Alegre (RS). O principal tema em pauta foi a saída do partido da base do governo Sartori (PMDB). A seriedade do assunto só não conseguiu superar o clima de união da legenda gaúcha, latente em todos os encontros – da Executiva e do Diretório estadual.

O dia contou também com um ato de filiação realizado na sede do PDT do Rio Grande do Sul. A maioria dos novos pedetistas chegou à legenda inspirados por Jairo Jorge, recém-filiado ao partido e já bem cotado para a corrida ao Palácio do Piratini.

O caminho tomado pelo PDT é de independência e aponta para um maior protagonismo da legenda, segundo Carlos Lupi. “Aqui no Rio Grande do Sul consolidamos com clareza nossa postura partidária. O governo Sartori nos colocou em uma contradição insuperável. Ele privatiza e penaliza servidores – trabalhadores – pelos erros do estado. O nosso caminho é totalmente contrário a este”, explica.

“Nós defendemos o bem estar do cidadão, serviços públicos de qualidade e a preservação dos bens estatais. O governo do qual deixamos a base hoje, nada tem a ver com a luta trabalhista e precisamos deixar isso claro. Estamos assumindo uma posição de independência para lutar por nossas bandeiras, as que colocam o povo em primeiro lugar”, garantiu Lupi.

Ainda pela manhã, o deputado federal e presidente estadual do PDT, Pompeo de Mattos, concedeu entrevista a diversos veículos comentando o desembarque do governo. “Diante das medidas tomadas por Sartori, existem aquelas que tornam o nosso apoio insustentável. Vamos sair do governo, mas não para ir para a oposição. Vamos sair para uma postura de independência”, ponderou à imprensa.

A “independência” tanto citada se refere ao corpo tomado pelo PDT, tanto no estado quanto no país. O partido se prepara para as eleições de 2018 com muitas candidaturas próprias, a começar por Ciro Gomes que concorre à presidência da República. No Rio Grande, Piratini e Senado Federal terão pedetistas concorrendo em cabeça de chapa.

“Um partido precisa ter a sua identidade preservada para construir candidatura própria. Temos nomes como Jairo Jorge, homem experiente, nosso pré-candidato a governador; Vieira da cunha que já foi presidente da Assembleia Legislativa; Fortunati, ex-prefeito de Porto Alegre. Nomes não faltam ao partido, por isso precisamos de liberdade para trilhar nosso próprio caminho”, garante Lupi.

Os eventos do PDT gaúcho não deixam dúvida dos rumos trabalhista em 2018. Não só no Rio Grande do Sul. A aquarela que colore a tela de hoje pintará outros quadros por todo o país. Entre muitas dúvidas pedetistas a serem sanadas até o próximo pleito eleitoral, uma certeza se cristaliza: independência e protagonismo estarão nas urnas.