PDT Diversidade repudia massacre na boate LGBT Pulse

OM - Ascom PDT/EI

O PDT Diversidade divulgou nota de repúdio ao ataque sofrido pela boate LGBT Pulse, em Orlando, na Flórida, ocorrido na manhã desse domingo (12), no qual o atirador Omar Mateen deixou 50 mortos, até o momento. Trata-se do pior atentado a tiros da história dos Estados Unidos.

A casa é um  clube LGBT que promove festas e eventos de conscientização da causa gay. O ataque desse domingo ocorreu no mês do Orgulho Gay, nos Estados Unidos, período no qual se multiplicam os eventos e celebrações no país.

Na nota, o PDT Diversidade afirma que o referido atentando soma-se a outras ações de cunho preconceituoso, frutos do “grande retrocesso conservador que têm, a seu tempo, nos colocado sempre mais em risco para viver em uma sociedade intolerante, machista, sexista e LGBTfóbica”.

“O ataque ocorrido na boate Pulse nos trás a realidade hodierna daqueles que vivem agradecendo por mais um dia em segurança, dada a realidade de óbitos por ser apenas quem são, por lutar para viver a liberdade constitucional, universal e amplamente defendida nos tratados internacionais de Direitos Humanos à nos dedicada mas não ainda exercida em sua amplitude”, diz a nota.

A nota do PDT Diversidade reforça, ainda, que o compromisso do PDT com os Direitos Humanos e o seu reconhecimento acerca da “necessidade de implementação de medidas protetivas à vida desses cidadãos e não vai se eximir da luta por um país onde os direitos sociais e humanos sejam iguais para todos, sem distinção”.

 

Leia abaixo a nota na íntegra:

 

O PDT Diversidade repudia toda e qualquer violência contra pessoas LGBTs

 

Temos vivido tempos sombrios, de grande retrocesso conservador que têm, a seu tempo, nos colocado sempre mais em risco para viver em uma sociedade intolerante, machista, sexista e LGBTfóbica.

O ataque ocorrido na boate Pulse nos trás a realidade hodierna daqueles que vivem agradecendo por mais um dia em segurança, dada a realidade de óbitos por ser apenas quem são, por lutar para viver a liberdade constitucional, universal e amplamente defendida nos tratados internacionais de Direitos Humanos à nos dedicada mas não ainda exercida em sua amplitude.

Foram 50 vidas ceifadas por não condizer com a sexualidade binária heteronormativa. 50 famílias agora choram por seus entes que buscaram a liberdade para que sua felicidade fosse completa.

Foram 50 “armários” destruídos, com seus sonhos, desejos, anseios e vidas, 50 caminhos interrompidos pela intolerância e preconceito.

O fato ocorrido é considerado o maior atentado nos Estados Unidos desde o fatídico 11 de setembro, mas o maior atentado ocorre todos os dias quando, pelo preconceito, nos permitimos ter nossa liberdade suprimida por aqueles que deveriam pregar o amor e, acima de tudo, pratica-lo para com seu próximo.

O atual retrocesso mundial, causado pelo fanatismo religioso, nos demonstra que precisamos evoluir e lembrar do verdadeiro amor, praticado por alguns e ignorado por tantos outros que colocam seus pré-conceitos em prática, disseminando ódio e intolerância à seus semelhantes, em nome de Alá, Deus, ou outra divindade.

Nos solidarizamos com aquela família que poderia ser a nossa, de nossos filhos ou de alguém próximo e nos solidarizamos mais por saber que enfrentamos essa realidade todos os dias, de não saber se chegaremos em casa, apenas por ser quem somos e desejar viver.

O PDT tem demonstrado seu compromisso com os Direitos Humanos como um todo, reconhecendo a necessidade de implementação de medidas protetivas à  vida desses cidadãos e não vai se eximir da luta por um país onde os direitos sociais e humanos sejam iguais para todos, sem distinção.

 

Amanda Anderson

Presidente nacional do PDT Diversidade