Partido celebrou os seus 30 anos de fundação

    

O Partido Democrático Trabalhista (PDT) celebra esta semana, no dia 26, os seus 30 anos de fundação.  A sigla PDT foi escolhida por Leonel  Brizola depois que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu, a pedido do general Golbery do Couto e Silva, então poderoso chefe do Gabinete Civil da Presidência da República, entregar a histórica legenda do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) – fundado por Getúlio Vargas – a até então desconhecida  Yvete Vargas.
 

Brizola, em uma entrevista coletiva, rasgou um papel com a sigla PTB escrita a caneta, chorou, e a partir dali, imediatamente, reagindo a um dos últimos estertores da ditadura, fundou o PDT. O ato foi registrado por Carlos Drummond de Andrade, com um poema.


O PTB vinha sendo organizado por Brizola desde 1979 quando, com a ajuda do presidente português Mário Soares, realizou na capital portuguesa uma grande reunião reunindo trabalhistas brasileiros que estavam no exílio e no Brasil, no Encontro de Lisboa. Naquela ocasião, Brizola, fechando o encontro, com um longo discurso, falou sobre o partido que pretendia recriar no Brasil.

 

A perda da sigla do PTB foi traumática, mas foi o ponto de partida para a criação do PDT que, dois anos depois, levaria Brizola a vencer as eleições de governador no Rio de Janeiro de forma espetacular, contra tudo e contra todos, revigorando o Trabalhismo brasileiro que, em matéria anexa, é analisado pelo cientista político Jorge Ferreira, em palestra que fez por volta de 2.000 na sede da Fundação Alberto Pasqualini, no Rio. 

Leia mais sobre Leonel Brizola