Osmar Dias deve ser candidato ao Senado na chapa de Gleisi, diz Lupi

O presidente nacional do PDT e ex-ministro do Trabalho, Carlos Lupi, afirmou ontem, em Curitiba, que o partido deve apoiar a candidatura da ministra Gleisi Hoffmann (PT) ao governo do Paraná nas eleições de 2014. Segundo Lupi, essa é a tendência da maioria das lideranças da legenda, apesar dos deputados pedetistas na Assembleia Legislativa integrarem a base de apoio do atual governador, Beto Richa (PSDB).

“A tendência é termos uma aliança com a Gleisi”, confirmou o dirigente, alegando que o apoio dos deputados a Richa na Assembleia é natural. Nas eleições de 2010, Osmar foi candidato ao governo pelo PDT com o apoio do PT, e acabou derrotado tucano. Após a eleição, porém, os parlamentares pedetistas aderiram à base de apoio de Richa na Assembleia, enquanto o ex-senador foi nomeado diretor de agronegócios do Banco do Brasil pela presidente Dilma Rousseff (PT).

“É natural. Os deputados estaduais têm que pensar na população. Eles lutam pelas suas bases políticas. É assim em todas as assembleias”, justificou Lupi. 
Sobre o fato do irmão de Osmar, Alvaro Dias (PSDB), ser candidato à reeleição, o pedetista desconversou. “Não tenho nenhum direito ou ousadia de entrar em relações familiares. Mas o que eu digo é que o Osmar tem reafirmado o desejo de voltar ao Senado”, alegou. 

Alvaro tem afirmado que os dois não devem disputar o mesmo cargo, alegando que é uma questão de bom senso. Seu irmão, porém, até hoje não se posicionou publicamente sobre o assunto.  “O Osmar me deu a garantia de que é candidato ao Senado de maneira irreversível”, garantiu o presidente do PDT.

Meta — Segundo Lupi, no Paraná a meta do PDT é eleger no ano que vem de 2 a 3 deputados federais e de 4 a 6 deputados estaduais. Entre os possíveis candidatos à Câmara Federal pelo partido no Estado estão os ex-prefeitos de Londrina, Barbosa Neto; de Foz do Iguaçu, Paulo MacDonald; de Paranaguá, José Baka Filho e o empresário Márcio Puliki de Ponta Grossa. 

O presidente do PDT também afirmou que o partido deve apoiar a reeleição da presidente Dilma no plano nacional, apesar da legenda ter mantido conversações com o governador de Pernambuco e pré-candidato do PSB à presidência, Eduardo Campos. “A tendência é apoiarmos a Dilma. Estamos há seis anos no governo. Não se pode mudar assim de um dia para o outro. Esse é o caminho natural do partido”, explicou, afirmando que alguns pedetistas defendem o lançamento de um candidato próprio, na pessoa do senador Cristovam Buarque (DF), que já disputou a eleição de 2010 para o cargo. “Mas não tenho sentido dele vontade de ser candidato”, afirmou o dirigente.

Lupi também avaliou o governo do prefeito Gustavo Fruet. “Acho que o Fruet está indo muito bem. O primeiro ano é sempre mais difícil, de arrumação da casa, adaptações e conhecimento da máquina. Ele é um homem de bem, sério, honrado e dedicado à causa pública. Será um prefeito que Curitiba jamais esquecerá pela sua vocação de bem servir o povo”, acredita o presidente nacional do PDT.

 

Lupi também avaliou o governo do prefeito Gustavo Fruet, com quem estará reunido hoje. “Acho que o Fruet está indo muito bem. O primeiro ano é sempre mais difícil, de arrumação da casa, adaptações e conhecimento da máquina. Ele é um homem de bem, sério, honrado e dedicado à causa pública. Será um prefeito que Curitiba jamais esquecerá pela sua vocação de bem servir o povo”, acredita o presidente nacional do PDT. – See more at: http://www.blogdojohnny.com.br/politicaeinformacao/lupi-quer-pauliki-federal-e-aposta-na-candidatura-de-osmar-para-o-senado#sthash.AC82mGUA.dpuf

MCS – www.bemparana.com.br