Mulheres do PDT fazem congresso em Tocantins

 

Congresso reuniu centenas de mulheres e autoridades em Palmas – TO
Caravanas de mulheres oriundas de 23 estados brasileiros estiveram em Palmas – TO para o IV Congresso Nacional da Ação da Mulher Trabalhista – AMT, que se realizou no domingo, 25/11, no Teatro Fernanda Montenegro.
Às 18 horas, o Ministro do Trabalho e Emprego e também Presidente Nacional do PDT, Carlos Lupi, abriu as discussões com o painel: “A EMANCIPAÇÃO DA MULHER ATRAVÉS DO TRABALHO”, com a presença do Governador Marcelo Miranda e da primeira-dama, Dulce Miranda.
Logo em seguida, foi a vez do Presidente da Força Sindical, Deputado Federal Paulo Pereira da Silva (PDT-SP) e da Presidente do Sindicato das Costureiras de São Paulo, Eunice Cabral, abordarem os temas: “ASSÉDIO MORAL E SEXUAL – O ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER”.
A segunda-feira, 26, foi aberta às 8 horas, com uma MARCHA DE REPÚDIO Á VIOLÊNCIA, ao longo da Avenida JK, (próximo a Roma Panificadora), que contou manifestação de cerca de 300 mulheres.
O Ministro da Saúde, Jose Gomes Temporão, fez palestra sobre “ABORTO, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚLICA”, às 10 horas, no Teatro Fernanda Montenegro.
Desigualdades comprometem desenvolvimento
O evento reuniu líderes e autoridades de diversos Estados Brasileiros e Países da América Latina. Secretárias Socialistas do Brasil, Miguelina Vecchio, da Holanda, Nicarágua, Equador e Chile. Governadores, Senadores e Deputados Federais do PDT também se fizeram presentes.  Segundo Ildemar Barbosa (foto), Secretária Nacional de Articulação Política da AMT, “as discussões são necessárias, já que em pleno Século XXI, é grande o número de mulheres que continua sendo vítimas de discriminação de gênero, e da  violência causada pelas desigualdades em quase todos os setores da vida feminina”.
A Secretária ressalta que essa gama de violência causa enorme sofrimento, “deixa marcas nas famílias, afetando várias gerações, limitando o crescimento econômico, comprometendo o desenvolvimento, já que impede que a mulher realize as suas potencialidades”.
Na política, apesar da mulher ser maioria da população e do eleitorado brasileiros, a participação dela é tímida. Segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral – TSE – nas últimas eleições, apenas 8% das cadeiras da Câmara dos Deputados foram ocupados por elas e no Senado, só 15% são mulheres: “é uma questão de justiça ampliar a participação feminina na condução dos destinos do nosso País. Os brasileiros, com certeza, serão os maiores beneficiados com a experiência o equilíbrio da mulher na vida pública” – assegura Ildemar Barbosa.

Veja a programação completa do IV Congresso