Movimento Comunitário do PDT lança manifesto contra governo Temer

FLB-AP/Bruno Ribeiro15/09/2017

No XIII Congresso da Conam, que ocorre até amanhã (16), em Recife (PE), o Movimento Comunitário Trabalhista (MCT), que é vinculado ao PDT, lançou um manifesto contra governo Temer e a favor da manutenção dos direitos do povo brasileiro.

No documento, que teve sua produção liderada pelo presidente nacional do MCT, Jordaci Matos, os pedetistas condenam a gestão federal. “Ações como as terceirizações, a Reforma Trabalhista e Previdênciária, a Reforma do Ensino Médio e a sanção da PEC 55 merecem a nossa repulsa contínua”, indica o manifesto.

Ao exaltar o intenso trabalho nas bases em todo o Brasil, os membros do partido ressaltam a importância de cada militante. “Que todos nós tenhamos consciência do nosso papel político, enquanto atores sociais, face a profunda crise política sem precedentes”, complementa.

Confira abaixo a íntegra do manifesto:

 

Recife-PE, 15 de setembro de 2017

Saudamos a todos os convencionais do XIII Congresso da Conam. Sem dúvidas, a Conam a legítima representação do Movimento Comunitário em esfera nacional. E por reconhecermos, o Movimento Comunitário Trabalhista (MCT) participa desta organização, visando à construção de um país mais justo e voltado aos interesses do povo, no enfrentamento ao governo golpista de Michel Temer.

O Movimento Comunitário Trabalhista congrega 250 entidades, com uma atuação orgânica presente em todo o Brasil. Conhecemos a fundo a realidade da nossa gente. Neste sentido retomamos ao convívio com esta entidade para fortalecer a luta. Entendemos que é importante nos acertarmos na política e construirmos a luta do nosso povo.

Neste sentido, fazemos uma profunda autocrítica, enquanto organização, nos momentos em que cindimos com esta entidade em 1989, no ínterim das eleições presidenciais. Sem dúvidas, este gesto se tornou, ao longo dos tempos, um desserviço ao movimento comunitário, numa mácula na bandeira trabalhista. deveria ser fortalecido a partir da unidade de todas as forças progressistas, patrióticas e populares.

Retornamos com toda a energia na Conam. Este Congresso precisa, além das lutas tradicionais do movimento comunitário, apontar diretrizes na defesa da soberania popular contra o governo golpista e, principalmente, rechaçando todas as medidas deletérias contra o povo trabalhador. Ações como as terceirizações, a Reforma Trabalhista e Previdenciária, a Reforma do Ensino Médio e a sanção da PEC 55 merecem a nossa repulsa contínua.

Por isso, o Movimento Comunitário Trabalhista defende que a Conam, bem além de suas funções e missões, debata e atue nas agendas de fundo popular e nacionalista, visando a unidade patriótica do povo brasileiro na resistência ao ilegítimo governo de Michel Temer. A luta pela unidade popular não pode caber pretensões hegemonistas ou agendas egocêntricas. O nosso povo é maior que as lutas fratricidas no interior dos movimentos progressistas. Falamos isto porque fazemos a nossa autocrítica na volta a esta entidade.

Que todos nós tenhamos consciência do nosso papel político, enquanto atores sociais, face a profunda crise política sem precedentes. Que possamos unificar a luta comunitária por moradia digna, direito à saúde, educação, transporte com cidades democráticas e sustentáveis, com igualdade de gênero, raça e respeito incondicional aos Direitos Humanos, na construção de uma pátria livre, justa, fraterna, igual e soberana!