Maduro define afastamento da presidente Dilma como ‘canalhada’

OM - Agência Estado

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou nesta sexta­-feira (13/5), durante a reunião do Conselho de Ministros, que solicitou o retorno a Caracas do embaixador venezuelano no Brasil, Alberto Castellar, em razão do afastamento da presidente Dilma Rousseff.

 “Estamos revisando o que acontece na América Latina, o golpe de Estado parlamentar que se deu contra a presidente constitucional do Brasil, Dilma Rousseff. Pedi ao embaixador no Brasil, Alberto Castellar, que viesse para uma reunião junto com a chanceler (Delcy Rodríguez) e o vice presidente executivo (Aristóbulo Istúriz). Estamos avaliando esta dolorosa página da história do Brasil”, disse Maduro em cadeia nacional de TV.

O anúncio aconteceu no mesmo dia em que o Itamaraty, sob comando do novo ministro das Relações Exteriores, José Serra, divulgou nota criticando as declarações feitas por autoridades da Venezuela, Equador, Bolívia, Cuba, Nicarágua e a direção da União das Nações Sul Americanas (Unasul) sobre o processo de impeachment de Dilma.

Maduro, no entanto, não mencionou a nota de Serra na sua argumentação. O sucessor de Hugo Chávez classificou como uma “canalhada” o afastamento de Dilma e se disse preocupado com a possibilidade de que o afastamento de Dilma  traga instabilidade a toda a região.

“É uma jogada totalmente injusta contra uma mulher que é uma grande patriota brasileira que teve coragem de enfrentar a ditadura. Uma canalhada contra ela, contra sua honra, contra a democracia. Temos de dizer isso a todo o continente”, afirmou o presidente venezuelano.

Maduro manifestou preocupação com a possibilidade de que o impeachment da presidente do maior país sul­americano possa trazer de volta à região o “vírus do golpismo” e reações violentas como a “luta armada da juventude”.