Hissa Abrahão declara a magistrados voto contra a Reforma da Previdência

Ascom deputado Hissa Abrahão29/03/2017

Em encontro com magistrados no Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas (TJ-AM), o deputado federal Hissa Abrahão (PDT- AM) manifestou-se, mais uma vez, ser contrário à Reforma da Previdência (PEC 287/16). A proposta, que tem causado polêmica e dividido opiniões, se aprovada no Congresso Nacional, obrigará o trabalhador brasileiro a se aposentar com 49 anos de contribuição.

Participarão da reunião, realizada na última segunda-feira (27), Manaus, parte da bancada amazonense, membros do TJ-AM, das associações dos Magistrados Brasileiros (AMB), dos Magistrados do Amazonas (Amazon), e procuradores federais e do Ministério Público.

Na ocasião, Hissa destacou a intenção do governo federal viabilizar medidas para beneficiar apenas os banqueiros, citou a necessidade de dar bom exemplo e cobrar as dívidas previdenciárias das maiores empresas brasileiras.

“Dizer que a previdência é deficitária é falácia. O governo precisa primeiro dar exemplo e cobrar as grandes empresas que devem bilhões à União. Penalizar somente o trabalhador que vai se aposentar com quase 50 anos de contribuição previdenciária? O país precisa unir forçar para barrar essa reforma”, comentou.

Para o pedetista, o diálogo com os magistrados é salutar, uma vez que alerta sobre os malefícios a todas as categorias trabalhistas, caso a reforma seja aprovada na íntegra.

“Estamos ouvindo todas as categorias. E cada uma tem exposto seu ponto nevrálgico. Dentro das minhas condições, eu vou lutar contra essa reforma. É preciso que cada categoria pressione o seu parlamentar, porque a PEC prejudicará milhões de brasileiros pelas próximas gerações”, disse.