Giovanni: agenda pelo Estado de Carajás

Marabá – O deputado federal Giovanni Queiroz, presidente do PDT no Pará, esteve em Marabá participando de demorada reunião com uma comissão de vereadores do município, encabeçada pelo presidente da Casa, Miguel Gomes Filho. Como o verdadeiro “pai da criança”, autor do projeto que hoje tramita na Câmara dos Deputados tratadndo da criação do Estado de Carajás a partir da redivisão territorial do Pará, Queiroz percorre a região para discutir estratégias de fortalecimento da campanha Pró-Emancipação. A criação de comissões municipais, segundo ele, é o primeiro passo para a conscientização popular nas regiões Sul e Sudeste do Pará.

Questionado pelo Opinião sobre a cumplicidade quase que unânime em Belém, entre autoridades e segmentos da iniciativa privada que têm se posicionado contra a redivisão do Estado, Giovanni Queiroz entende que tudo não passa de “opinião passional”. O deputado garante não estar nenhum pouco preocupado com esses discursos, segundo ele sem qualquer argumento forte. “Argumento que não é capaz de nos demover desse objetivo”. Por outro lado Giovanni adianta que vem mantendo uma série de debates em Belém, a última delas na sede da Maçonaria, onde vem mostrando as vantagens da criação do novo Estado. No próximo dia 17 o debate será na Universidade da Amazônia (Unama), com a presença de jornalistas da capital paraense e até mesmo de deputados, que já se posicionaram contra a divisão territorial. “E tenho certeza que os argumentos deles não supera os nossos”, garante o parlamentar sulparaense.

Um dos argumentos fortes de Queiroz são os Estados do Mato Grosso e Tocantins, que ele cita como exemplos de sucesso a partir do momento em que foram emancipados. “É também uma questão de olhar o mundo”, ensina, enfatizando que a geopolítica mundial, a organização administrativa do mundo inteiro são muito diferentes do que se vê na Amazônia. O presidente do PDT disse que não existe em qualquer parte do planeta, Estados da dimensão territorial do Pará, do Amazonas ou do Mato Grosso.

Giovanni Queiroz lembra ainda que a França tem 544 mil quilômetros quadrados, onde são abrigados 96 Estados divididos em 18 mil municípios e um população de 54 milhões de habitantes. “Enquanto nós estamos muito atrasados na organização administrativa do Estado”. (Nilson Santos)

Jornal Opinião