Clube de Engenharia reúne nacionalistas contra leilões da ANP

    


Nacionalistas convocam ato contra leilões no pré-sal


 


“É preciso garantir que esta riqueza esteja em benefício do povo brasileiro”, defendem


 


No próximo dia dia 22/3, às 18 horas, entidades populares do país realizarão ato público no Clube de Engenharia, no Rio de Janeiro, contra a extensão dos leilões de áreas petrolíferas às reservas do pré-sal. O ato será no Rio de Janeiro, na sede do Clube de Engenharia da avenida Rio Branco, nº 124. Além do próprio Clube, convocam para o ato a Associação dos  Engenheiros da Petrobrás (Aepet), o Sindicato dos Engenheiros, a ABI e o Movimento Em Defesa da Economia Nacional (Modecon), fundado por Barbosa Lima Sobrinho

O ato é puxado pela AEPET e a comissão organizadora é formada pelo Clube de Engenharia, o CREA-RJ, a UNE (União Nacional dos Estudantes), o Modecon (Movimento em Defesa da Economia Nacional), a FNP (Frente Nacional dos Petroleiros), a FUP (Federação Única dos Petroleiros), Senge-RJ (Sindicatos dos Engenheiros do Estado do Rio de Janeiro), Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB), entre outras. O objetivo da campanha é barrar a continuação dos leilões do petróleo e do gás (ainda previstos no contrato de partilha), que vem sendo realizado pela ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) e a volta do monopólio estatal do petróleo, tendo a Petrobrás como empresa 100% estatal e pública. 

A próxima reunião de organização do ato será nesta 4ª feira (17/03), às 17 horas, na sede da AEPET. Uma série de panfletagens ficaram marcadas para a mobilização para o Ato do dia 22/03, todas no Rio de Janeiro. No dia 16/03(3ª feira) ficou acertada uma atividade na Central do Brasil às 17 horas. Na 4ª feira(17/03), às 12 horas, na Carioca e Petrobrás. Dia 19/03(6ª feira) às 17 horas na Praça XV.


 


Os projetos enviados pelo governo Lula ao Congresso, sobre a exploração de petróleo na  camada pré-sal, são uma importante melhora na situação atual, permitindo à União contratar diretamente a Petrobrás para efetuar essa exploração, definindo-a como única operadora na área do pré-sal, e acabando, nessa área, com as concessões da lei de Fernando Henrique, que permitiam às multinacionais levar 100% do petróleo que extraíssem, pagando apenas uma ridícula “participação especial” à União.


 


No entanto, os projetos ainda mantêm os leilões de áreas petrolíferas no pré-sal, além da contratação da Petrobrás. Segundo indicaram o presidente Lula e a ministra Dilma Rousseff, esses projetos são para discussão com a sociedade, para fazê-los coincidir com os interesses do país.


 


Não é pouco, certamente, o que está em jogo: a descoberta, pela Petrobrás, das imensas jazidas petrolíferas do pré-sal foi a maior já ocorrida em território nacional – e, em muitas décadas, a maior já ocorrida no mundo. O valor atual dessas reservas é estimado em US$ 10 trilhões, valor que tende a crescer, num mundo onde o petróleo é cada vez mais escasso. Não é um espanto que a cobiça do cartel da indústria petrolífera sobre o nosso petróleo tenha  se elevado subitamente – às vezes através de declarações que atingem níveis críticos, isto é, indecorosos.


 


O pré-sal é a base que o Brasil tem para um salto no seu desenvolvimento, para o crescimento da indústria e da capacidade técnica nacionais. Inclusive a existência dessas reservas nos dará tempo para pesquisar, criar e consolidar recursos e técnicas que, na sua época, substituirão o petróleo como fonte energética e base da produção de materiais sintéticos. O pré-sal é, portanto, uma ponte mais confortável para o Brasil do futuro.


 


Mas isso somente será possível se essas reservas forem exploradas de acordo com nossos interesses, ao ritmo que for melhor para o país. Conhecem-se bem exemplos como o da Indonésia, antes exportadora de petróleo, que teve a sua riqueza natural drenada por empresas estrangeiras – e hoje tem como um dos seus principais problemas, talvez o principal, a importação de petróleo e derivados.


 


Os leilões são um portão arrombado para a entrada do cartel petroleiro nas reservas do pré-sal, ou seja, um meio para que uma parte dos nossos reservatórios de petróleo não seja gerida, extraída, explorada, de acordo com os nossos interesses.


 


E, antes de tudo, esse é um portão arrombado inteiramente desnecessário.  Há países que não podem evitar a intromissão de monopólios petrolíferos externos porque não possuem tecnologia nem recursos para explorar o seu petróleo. Fazem, assim, o que podem para conviver com eles e sua natureza predatória. Em suma, em troca da exploração da riqueza nacional, são obrigados a ceder uma parte considerável dela para o cartel petroleiro externo.


 


Mas esse tipo de condição, evidentemente, não é a do Brasil, que tem uma das maiores empresas petrolíferas do mundo – a única, no momento, com perícia na extração de petróleo na profundidade da camada pré-sal. A Petrobrás, além disso, tem à sua disposição recursos próprios, outros recursos do Estado, e recursos internos e externos advindos de suas relações financeiras mais do que suficientes para financiar essa extração. Na situação de hoje, a quem tem petróleo não falta financiamento.


 


Logo, por desnecessários para o país, os leilões no pré-sal somente serviriam para que as multinacionais pudessem obter uma parte de nosso petróleo, sem qualquer contribuição relevante ou que a Petrobrás não pudesse dar sem essa cessão da riqueza do país. Por essa razão, as entidades que estão promovendo o ato do dia 22 reivindicam que os leilões sejam eliminados na exploração do pré-sal.


 


Os leilões são uma excrescência do hediondo governo Fernando Henrique. Fazem parte da mesma política que incluía o esquartejamento da Petrobrás, a proibição de que a empresa investisse seus recursos próprios – e até a mudança de seu nome, retirando dele o Brasil: em vez de Petrobrás,“Petrobrax”.


 


Sob o argumento de que as multinacionais iriam ampliar a nossa produção de petróleo, leiloaram-se áreas petrolíferas, todas em locais onde a Petrobrás já encontrara petróleo, sob um malfadado sistema de concessões, sempre com a suposta justificativa de que se trata de uma atividade de risco.


 


Mas, no pré-sal não existe risco de não encontrar petróleo. Todas as perfurações feitas pela Petrobrás na bacia de Santos encontraram petróleo na camada pré-sal, sem exceção alguma. Aliás, foi reconhecendo este fato que o governo decidiu mudar a legislação do petróleo para essas novas reservas.


 


Quando os leilões foram instituídos, a Petrobrás estava perto de obter a autossuficiência do país em petróleo – só não a obteve em seguida porque foi proibida de investir além de um mísero limite.


 


Mas foi ela que a conquistou,quando o governo Lula a libertou das travas que a continham. Os leilões nãoserviram para nada, exceto manter as reservas do país abertas para  as multinacionais, pois a Petrobrás, evidentemente, não precisava de leilões para explorar áreas que eram suas quando não existiam leilões.


 


Nas áreas do pré-sal essa excrescência é mais absurda ainda, pois o único risco é o de achar petróleo quando se está procurando outra coisa. Como nem a Esso nem a Shell são companhias de extração de água, esse risco não existe para elas. 


Leiam manifesto dos nacionalistas pelo fim dos leilões no pré-sal