Carlos Chagas critica O Globo por "armação abominável"

Armação abominável
 
Carlos Chagas
 

De repente, sucedem-se ataques à memória de Leonel Brizola. Do lixão da ditadura surgem relatórios sem provas nem evidências a respeito de haver o então governador do Rio atuado a serviço do crime organizado. Trata-se de armação das elites desmoralizadas com a falência do capitalismo selvagem e do neoliberalismo posto em frangalhos pela crise econômica.

Querem, na realidade, impedir o ressurgimento do socialismo caboclo que Brizola tão bem sustentou enquanto viveu, numa espécie de premonição sobre o que viria de forma inevitável, o caos e o reingresso do Estado nas relações econômicas. Julgam poder passar da defesa ao ataque denegrindo a obra do morto ilustre, não hesitando em valer-se do estrume produzido nos anos de chumbo pelos que imaginavam eterno o modelo agora escoado para o esgoto. São documentos produzidos pelo SNI, aquele monstro criado para perpetuar o arbítrio e a truculência, aliás, denunciado como tal por seu próprio criador.

Acusam o líder trabalhista de haver contribuído para o aumento da criminalidade no Rio de Janeiro, em nome dos direitos humanos. Ora, a criminalidade vem aumentando, é certo, mas por conta do desemprego gerado pelos responsáveis pela débâcle financeira deste início de século.

A ambição desmedida das elites gerou a lambança que agora imaginam debitar a Leonel Brizola, pretendendo venha a opinião pública esquecer a inestimável contribuição do caudilho nos planos da educação, das obras públicas e da resistência contra a ditadura.

 

Valeria para esses infelizes atentar para o fato de que o presidente Lula, ainda que com atraso inexplicável, tenha começado a recitar em gênero, número e grau a cartilha de Brizola, pregando a estatização e a entrada em cena do poder público como fator de recuperação da atividade econômica. E só para terminar: o crime organizado cresceu nas favelas e estende seus tentáculos para o asfalto, porque cresce, nas elites, a corrupção, a lavagem de dinheiro, a formação de quadrilhas e até consumo de drogas.