Brizola Neto: "O PDT está de volta pelo Trabalhismo"

O novo líder do PDT, deputado Brizola Neto(RJ), disse na tarde desta quarta-feira(4) no plenário da Câmara que o partido vai ocupar a tribuna para afirmar sua identidade e cumprir o compromisso de lutar pelo trabalhismo. “Vamos usar este espaço para defender da injustiça o povo brasileiro e todos os demais povos,” declarou o deputado.

Em seu primeiro discurso como líder, Brizola Neto agradeceu aos deputados da bancada pedetista por sua indicação e destacou a atuação de líderes que contribuíram para o crescimento do partido, como os ex-deputados Neiva Moreira(MA), Matheus Schmidt(RS) e Doutel de Andrade(RJ), este já falecido, o deputado Miro Teixeira (RJ), e o ex-governador do Rio Grande do Sul, Alceu Collares. 

Com um discurso firme, o deputado anunciou que o partido está de volta e aproveitou para reiterar que a saída do bloco de Esquerda não representava “um rompimento, apenas um desencontro no momento em que o PDT precisa afirmar a sua identidade”. “São partidos históricos que atravessaram o tempo, resistiram ao arbítrio da ditadura militar. O PDT precisa desta tribuna no momento em que o atual modelo econômico mostra sua falência”, declarou.

Sobre a crise econômica mundial o líder pedetista afirmou que o atual sistema “aumentou a distância entre ricos e pobres”. Brizola Neto lembrou que o presidente Getúlio Vargas já havia denunciado os saques às riquezas nacionais na sua Carta -Testamento. “É importante lembrarmos que algumas coisas que acontecem já foram denunciadas por nossos líderes. Como não se indignar por ver, mais de 50 anos depois da denúncia feita pelo Presidente Vargas com relação ao saque diário na economia brasileira através da remessas de lucros ao exterior”, questionou.

Ao finalizar seu pronunciamento o deputado disse que o partido está de volta para ocupar seu espaço de luta. “Aqui, nessa bancada estão os legítimos legatários de Vargas, de Jango e de Brizola, que construíram um partido político para transformar o Brasil”, concluiu.

Íntegra do pronunciamento do líder do PDT, deputado Brizola Neto(RJ).

O SR. PRESIDENTE (Edmar Moreira) Concedo a palavra ao nobre Deputado Brizola Neto, para uma Comunicação de Liderança, pelo PDT. S.Exa. foi recém-empossado na Liderança do PDT, a quem parabenizamos.

O SR. BRIZOLA NETO (PDT-RJ. Como Líder.)
Sr. Presidente, Deputado Edmar Moreira, gostaria de iniciar cumprimentando os novos membros da Mesa Diretora pela eleição, em especial o novo Presidente, Deputado Michel Temer, que ,sem dúvida alguma, faz esta Casa ingressar num caminho de segurança institucional e de zelo para a boa imagem do Poder Legislativo no Brasil.

Quero agradecer aos meus diletos companheiros da brava bancada trabalhista, do PDT, que me honraram com esta posição de Líder de uma bancada que tem uma tradição forte de Líderes que marcaram a presença nesta Câmara, que não poderia deixar de citar.

Como esquecer a liderança de um Doutel de Andrade,como esquecer que passou por esta tribuna um Matheus Schmidt, como não recordar que desta tribuna defendia o ideário trabalhista o Dr. Neiva Moreira, o ex-Governador Alceu Collares e para a glória da nossa bancada esse decano que continua entre nós, Deputado Miro Teixeira, que, sem dúvida nenhuma, é um orgulho, um líder nato da bancada do PDT.

Quero saudar também os nossos companheiros com quem caminhamos irmanados nos últimos dois anos no bloco parlamentar, denominado bloco de esquerda. Cumprimentar e agradecer a convivência que tivemos com os diletos companheiros do PCdoB e do PSB.

A nossa saída do bloco não é um rompimento, é apenas um desencontro numa história de profunda identidade que guardam os nossos partidos, partidos históricos que atravessaram o tempo e a história, resistiram ao arbítrio da ditadura militar, porque possuem cepas ideológicas firmes — são os comunistas, os socialistas e os trabalhistas.

A nossa saída do bloco não é um rompimento, é apenas um desencontro no momento em que o PDT precisava desta tribuna para afirmar a sua identidade, que precisa desta tribuna, no momento em que o atual modelo econômico mostra a sua falência. Um modelo liberal que aprofundou a desigualdade no mundo, aproximou a terra de um colapso ambiental e agora, com o mundo todo estarrecido, assistindo à bancarrota do sistema financeiro e econômico mundial através desse sistema.

A única coisa que tal sistema conseguiu fazer foi aumentar a distância entre ricos e pobres. Para nosso espanto — e por isso tão importante usar agora esta tribuna — , são as velhas teses trabalhistas, as velhas teses, mestre Miro, daqueles que eram classificados como jurássicos que estão a salvar da bancarrota o sistema financeiro e econômico mundial.

Aos companheiros eu digo que o PDT precisava do espaço desta tribuna para mostrar a aliança que temos com o Presidente Lula, que se baseia na defesa intransigente do regime de direitos e garantias do mundo do trabalho, aliança essa expressada pela liderança do Ministro Carlos Lupi, que honra, na cadeira do Ministério do Trabalho, o lugar que já foi ocupado por João Goulart.

Neste momento em que o mundo se debruça para sanear uma economia decadente, é importante trazermos a realidade ao nosso País; é importante lembrarmos algumas coisas que aqui acontecem e que já foram denúncias de saudosos líderes.

Como não se indignar ao ver, mais de 50 anos depois da denúncia feita na carta-testamento do Presidente Vargas com relação ao saque diário realizado na economia brasileira através da remessa de lucros ao exterior, nas manchetes dos grandes jornais brasileiros que a disparada na remessa de lucros é uma ameaça à saúde da economia nacional.

Nas próximas semanas, ocuparemos essa tribuna para cumprir o compromisso com o PDT de fazer deste lugar um espaço de luta permanente em defesa do trabalhismo. Usar essa tribuna para combater armações como a que sofre o Governador Jackson Lago, signatário da histórica “Carta de Lisboa”, contra as oligarquias coronelistas que insistem em usurpar o poder que emana do povo.

Vamos usar esta tribuna para defender o povo brasileiro, para defender todos os povos da injustiça e da opressão do terrorismo de Estado, como o que, nesta hora, assombra impiedosamente o processo de nascimento da nação Palestina, escandalizando o mundo inteiro.

Para finalizar, Sr. Presidente, é hora de anunciar desta tribuna que o PDT está de volta. Porque aqui, nessa bancada, estão os legítimos legatários de Vargas, de Jango e de Brizola, que construíram um partido político para transformar o Brasil.

Eram essas as minhas palavras

Obrigado, Presidente. (Palmas.)