Ângela Portela acusa Temer de repassar aos pobres e aos servidores públicos a conta da crise

Ascom Ângela Portela24/08/2017

A senadora Ângela Portela (PDT-RR) afirmou, nessa quarta-feira (23), que as vítimas da crise pela qual atravessa o País, mais uma vez, são o servidor público e o povo brasileiro. A parlamentar se refere à proposta da equipe econômica do governo Temer que aumenta de 11% para 14% a contribuição previdenciária do servidor público, para cobrir o rombo orçamentário, agora, de R$ 159 bilhões, para este ano e para 2018.

“Não aceitarei que, aos servidores públicos e aos cidadãos e cidadãs mais pobres desse País, seja imposta a culpa pelos desmandos e a incompetência deste governo, que se tornou o inimigo número um do povo brasileiro”, afirmou.

Segundo a senadora, depois de atacar os direitos sociais e trabalhistas, atingindo diretamente a maioria do povo brasileiro, o governo parte, agora, para cima dos servidores públicos do país.

“O funcionalismo público é, agora, alvo da equipe econômica, que, ao se dar conta de sua incapacidade de garantir a continuidade da Administração Pública, resolveu propor ao Congresso Nacional, o aumento da meta de déficit para 2017 e 2018, com o sacrifício do funcionalismo”, criticou.

Na sua opinião, o que o governo está fazendo é confiscando os vencimentos de quem se sacrifica diuturnamente a serviço do povo brasileiro.

“Isso é inaceitável e por essa razão lutarei, juntamente com outros parlamentares da oposição, para repelir essa injustiça“, garantiu Ângela Portela.

Para a senadora, o governo de Temer age em consonância com o mercado financeiro e contra o povo brasileiro.

“Não há dúvidas de que, depois de atacar direitos consagrados, o governo Temer quer, agora, desmontar o serviço público brasileiro, para facilitar a venda das estatais e a terceirização de serviços essenciais do Estado brasileiro.