André Figueiredo é o candidato do PDT à presidência da Câmara dos Deputados

O Povo27/12/2016

Ex-ministro das Comunicações no governo de Dilma Rousseff (PT), o deputado André Figueiredo é o nome unânime do PDT para concorrer à presidência da Câmara dos Deputados. O presidente da legenda no Ceará já tem pelo menos dois concorrentes confirmados: o atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), aliado do presidente Michel Temer (PMDB), e Rogério Rosso (PSD-DF), que confirmaram candidatura.

De acordo com o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, Figueiredo tem o apoio de toda a bancada do PDT e deve conseguir também o dos deputados do PT e do PCdoB. “Começamos a costurar isso (a candidatura) há mais ou menos uma semana, estamos conversando com a nossa base de aliados, e as conversas foram boas”, disse.

Figueiredo não se considera um candidato de oposição, mas um candidato que vai buscar fortalecer o Legislativo. “Mesmo o PDT sendo atualmente um partido de oposição, na condição de candidato à presidência da Câmara, teríamos um bom diálogo com o poder Executivo, o presidente da República e muitos de seus ministros”, afirmou.

PT e PCdoB

Com 20 cadeiras na Casa, o PDT depende sobretudo de acordo com o PT, que tem 58 deputados federais. O deputado federal José Guimarães (PT), líder da minoria na Câmara, afirmou que é simpático à candidatura de Figueiredo, mas que a decisão deverá ser tomada coletivamente pelos petistas.

“Nós vamos trabalhar para manter o PT e o PDT unidos, eu acho que o nome dele é uma boa ideia. Mas não posso antecipar nenhuma decisão do PT por enquanto, porque a bancada ainda vai se reunir e discutir essa questão”, disse.

Quem também vê como positiva a candidatura do pedetista é o deputado federal Chico Lopes (PCdoB), que diz que “seria bom se a presidência ficasse com um cearense”. Partido aliado ao PT e PDT, o PCdoB só deve tomar decisão sobre isso após a volta do recesso, em janeiro.

Disputa

André Figueiredo não esperou o fim do recesso e já tem conversado com deputados e lideranças de partidos aliados. Ele também busca apoio da Rede e do Psol. Já nesta segunda-feira, 26, o deputado passará o dia inteiro em reuniões, de acordo com sua assessoria de imprensa, e não atendeu os telefonemas do Blog Política.

Ao portal de notícias G1, ele criticou candidatura de Rodrigo Maia, dizendo que “tem inconstitucionalidade na reeleição dele”, mas também admitiu que ele “é o candidato mais forte até porque tem simpatia do Governo Federal”.

Além de Maia e de Rosso, quem também está se articulando para concorrer ao cargo é o Jovair Arantes (PTB-GO), de acordo com informações de bastidores. O deputado, porém, já declarou que não pretende se candidatar. Se os rumores forem verdadeiros, no entanto, a candidatura de ambos pode dividir o chamado “Centrão” e fortalecer o nome do cearense.