AMT-RN debate empoderamento feminino no I Congresso Estadual

PDT do Rio Grande do Norte30/01/2017

Movimento feminino defende igualdade de direitos

As integrantes da Ação da Mulher Trabalhista do PDT do Rio Grande do Norte (AMT-RN) encerraram o mês de janeiro discutindo a igualdade e a plenitude de seus direitos durante o I Congresso Estadual do movimento. Com o tema “Conquistando Espaço, Conquistamos a Igualdade”, o encontro, realizado no último sábado (28) na sede do Diretório Estadual do PDT, possibilitou a capacitação da militância, a realização de novas filiações e a posse da nova Executiva Estadual, eleita por aclamação para o biênio 2017-2019.

Na oportunidade, a coordenadora Regional e vice-presidente Nacional da AMT, Sírley Soalheiro, proferiu uma palestra sobre do Congresso e ministrou uma capacitação para as militantes. A primeira-dama de Natal, Andréa Ramalho Alves, foi reconduzida ao cargo de presidente estadual da AMT-RN.

Ao abrir o encontro, a primeira-dama potiguar falou sobre o objetivo do evento: o defender a igualdade de direitos por meio de uma ocupação mais justa e equilibrada dos espaços na política e nas diversas áreas da sociedade.

“O tema escolhido para esse Congresso nos remete ao desafio de pensarmos qual o lugar que ocupamos na sociedade e que papel desempenhamos nela, de forma a buscarmos os nossos direitos em sua plenitude e construirmos essa sociedade de iguais que tanto queremos”, refletiu a primeira-dama.

Sírley Soalheiro, por sua vez, enalteceu a conscientização dos direitos das mulheres, a sua participação na política partidária e a ocupação mais igualitária nos cargos públicos em todas as esferas de poder. Ela também defendeu a ampliação e fortalecimento da AMT potiguar por meio de um importante instrumento que o PDT dispõe: a Fundação Leonel Brizola – Alberto Pasqualini (FLB-AP), da qual fazem parte a Universidade Leonel Brizola (ULB) e a Rádio Legalidade.

“Todas que aqui estão buscam um objetivo comum: direitos iguais. Nos reunimos hoje para nos capacitar, aprofundar o debate e elevar nossos argumentos que devemos por em prática na luta por essa igualdade. Urge a nossa presença mais numerosa nos municípios e estados, com representação mais equilibrada seja no parlamento, seja nos cargos do executivo. Para isso precisamos cada vez mais buscar formação política para que nossa presença seja respeitada e nossa militância qualificada”, proferiu Sírley, sob muitos aplausos da plateia.

Já a vice-presidente estadual da AMT-RN, Gil Alves, também fez o chamamento às mulheres para não deixarem de lutar por seus espaços e mostrou a importância de ocupá-los de forma qualificada. “Não queremos contenda, não queremos competir. Não somos melhores nem inferiores a ninguém. Queremos ser vistas e respeitadas como iguais, em competência e capacidade, por isso precisamos ocupar os nossos espaços de fato e de direito”.

Ao final de sua fala, Gil declamou o poema “Meu nome é mulher”, de autoria desconhecida, que reflete o crescimento da mulher e sua trajetória de lutas e conquistas travadas ao longo dos anos.

A secretária de Formação Política da AMT do RN, Aparecida França, também registrou a importância da conscientização feminina sobre uma presença mais equânime nos espaços de poder.

“Fomos construindo a partir de Leonel Brizola a cultura de uma sociedade mais justa, do trabalho igual, uma sociedade de acesso, que vislumbra eliminar as desigualdades sociais e econômicas e que preserva e respeita as diferenças. Que as mulheres negras, pobres, LGBTs, das diversas correntes religiosas, possam ter o mesmo espaço de igualdade de oportunidades que as demais”, defendeu Aparecida.

De acordo com o movimento, o I Congresso Estadual da AMT foi um terreno fértil para reflexões, provocações e sugestões que estabeleceram encaminhamentos que subsidiarão o aprimoramento do plano de ação a ser implementado pelo Movimento nos próximos anos. O texto final produzido no encontro será levado ao Congresso Nacional da AMT, que acontecerá em março deste ano, com local ainda a ser definido.