A vitória do atleta pedetista que corre pelo povo na maratona da Câmara

FLB-AP/Bruno Ribeiro

A última eleição para vereador, em 2016, em Tarumã, cidade de 14 mil habitantes do interior de São Paulo, foi marcada pela vitória de um pedetista que sustenta na simplicidade a base da sua trajetória de vida. Nesse contexto, Danillo Correa, 27 anos, que já era reconhecido pela dedicação no treinamento de atletismo oferecido para crianças carentes, agregou mais uma prioridade na sua intensa rotina: o desenvolvimento social de toda a população local ao longo do seu primeiro mandato.

Originário de Assis (SP), que, na década de 90, deu origem à Tarumã, a partir da emancipação, o parlamentar conquistou uma cadeira na Câmara reunindo 368 votos, o que representou um feito: foi o mais votado do pleito local e o mais jovem da história do município. “A minha vitória mostra que o maior valor de uma cidade é a população”, exaltou, ao lembrar que os cidadãos sempre pediam a sua participação como um dos seus representantes no legislativo.

Humilde, Danillo faz questão de ressaltar como foi o longo caminho até chegar à vitória.

“Fiz a campanha de bicicleta. Não tinha recursos para investir. Por isso, fui batendo de porta em porta para conversar com cada eleitor e mostrar minhas propostas. Esse contato direto foi fundamental e me encorajava a seguir em frente, pois eram palavras de motivação”, explicou.

História

Apaixonado pelo atletismo, Danillo desenvolve na cidade, há mais de seis anos, um projeto social que abre as portas para a população de baixa renda. Em cada passada, ele reconhece o valor da formação. “A atividade esportiva é uma ferramenta motivadora, fortalece a saúde e ainda ajuda muitas famílias que passam por dificuldades”, pondera.

Ao contar como surgiu a ideia da ação, ele abre um sorriso no rosto. “O projeto Elite Tarumã nasceu através de uma escolha. Há sete anos, eu trabalhava em uma farmácia como entregador. No final do dia, cursava Educação Física. Durante uma passagem pela pista de atletismo, veio na minha direção um menino chamado Bruno, que, na época, tinha uns 12 anos, e pediu para lhe ensinar a prática do atletismo”, relatou.

“Confesso que fiquei arrepiado e senti que havia um grande talento a ser lapidado. No outro dia, eu pedi as contas do serviço e comecei a treiná-lo. Em sua primeira corrida, ele conquistou o primeiro lugar”, exalta, ao mostrar que fez a escolha certa.

O sucesso do jovem aprendiz despertou o interesse da população. “Com isso, surgiram muitas crianças e jovens interessados”, disse, ao explicar que conta com apoio de voluntários para manter o projeto.

Em pouco tempo, Danillo já conta, com orgulho, os resultados alcançados pela equipe composta com dezenas de alunos: cerca de 100 troféus e mais de 300 medalhas. “Hoje, o Bruno reside no Paraná e treina com os melhores atletas do mundo, os quenianos. Estou feliz, pois sei que ele representará ainda a seleção brasileira”, concluiu.