PDT maranhense faz ato de desagravo

PDT faz manifestação na sede do partido em apoio a Jackson
 
Dirigentes e militantes do PDT realizaram terça-feira (13/5), no começo da noite, na sede do partido em São Luís, manifestação de apoio ao governador Jackson Lago, que é também presidente licenciado do diretório pedetista, por conta do Ministério Público Federal haver incluído o nome do governador na lista dos 61 denunciados por suposto envolvimento na Operação Navalha.
 
Também participaram do ato secretários estaduais e municipais, deputados estaduais e alguns pré-candidatos a prefeito da legenda, além do prefeito da capital, Tadeu Palácio, que é o presidente licenciado do PDT de São Luís. Quarta-feira, os dirigentes pedetistas recepcionaram o governador, quando ele retornou de Brasília.
 
O prefeito de São Luiz, Tadeu Palácio, disse que já esperava a denúncia contra o governador, por conta da “tentativa (do grupo Sarney) de quererem tirar o mandato que lhe foi dado pela população”. O prefeito afirmou que “o alvo não é propriamente o governador, mas isso acontece em função do novo modelo de administração que Jackson começa a imprimir à frente do Governo do Estado”.
 
As dependências da sede do partido ficaram lotadas por conta da grande participação de dirigentes pedetistas, deputados e secretários e militantes, no ato de desagravo ao governador. Estiveram presentes deputados como Pavão Filho (PDT) e Afonso Manoel (PSB), secretários estaduais Eurídice Vidigal (Segurança), Domingos Paz, Agricultura), Weverton Rocha (Juventude e Esporte) e municipais como Clodomir Paz (Governo), Carlos Rogério Araújo (Serviços Públicos) e Moacyr Feitosa (Educação), além da vice-prefeita Sandra Torres (PDT).
 
 
No Aeroporto – Recebido por uma multidão, no início da tarde de quarta-feira (14/5), no Aeroporto Marechal Hugo da Cunha Machado (Tirirical), o governador Jackson Lago (PDT) criticou a exploração política que o grupo Sarney vem fazendo da denúncia formulada pelo Ministério Público Federal contra implicados na Operação Navalha.
 
Ao lado de um grande número de políticos e populares, o governador voltou a negar envolvimento com o escândalo da construtora Gautama e reafirmou o compromisso de luta contra a miséria e o atraso do Estado. “Aquela luta de décadas e décadas, que resultou na grande vitória da Frente de Libertação do Maranhão, aquela luta vai continuar, até o final do governo, para que o nosso povo tenha emprego, tenha trabalho e tenha renda”, ressaltou Jackson Lago, num improvisado discurso.
 
Aos jornalistas que o entrevistaram no saguão do aeroporto, o governador falou de sua surpresa e indignação pelo fato de ter sido citado na denúncia formulada pela Procuradoria Geral da República. “Meu nome apenas foi mencionado indiretamente em ligações telefônicas de terceiros”, frisou descartando qualquer envolvimento com as irregularidades investigadas pela Polícia Federal na Operação Navalha. O governador afirmou que “os poderosos estão trabalhando dia e noite para que o governo não dê certo” e disse também que “quem consegue remover um império implantado há décadas, tem que estar preparado para todo tipo de ação”. Desde cedo, manifestantes esperavam Jackson Lago chegar ao aeroporto com faixas e cartazes, manifestando-lhe apoio e solidariedade.
 
Desagravo – A recepção acabou se transformando num ato de desagravo com a presença de diversas lideranças políticas, entre as quais o presidente da Assembléia Legislativa, João Evangelista (PSDB); o prefeito de São Luís, Tadeu Palácio (PDT), os deputados federais Julião Amin (PDT) e Ribamar Alves (PSB), o ex-governador João Castelo, o vice-governador, pastor Luiz Porto; o ex-deputado federal Neiva Moreira, além de diversos deputados estaduais, vereadores e prefeitos de municípios do interior do Estado, entre os quais Humberto Coutinho (Caxias), Biné Figueiredo (Codó) e Raimundo Lisboa (Bacabal).
 
 Ao desembarcar no aeroporto no início da tarde desta quarta-feira (14/5), o governador Jackson Lago discursou durante 15 minutos sobre a sua conduta e rebateu as denúncias da Procuradoria-Geral da República (PGR) na Operação Navalha. Em discurso para centenas de pessoas, ele afirmou que “podem fazer o que quiserem, jamais encontraram nenhum gesto de indignação na minha biografia”. Após deixar o Aeroporto, ele segu em carreata para o Palácio dos Leõs.
 
O governador desembarcou no aeroporto Cunha Machado às 13h. Muitas pessoas esperavam por ele desde cedo. Mais de 20 ônibus vieram do interior, com militantes e eleitores de Jackson. Estava presente todo o secretariado do estado, prefeitos e pré-candidatos do interior e de São Luís. Mais de cem autoridades participaram do ato. Antes do desembarque, uma comissão do PDT e mais 24 deputados da Assembléia Legislativa já aguardavam Jackson desde o meio-dia.
 
Fonte: Jornal Pequeno, O Imparcial e Rede PDT