PDT interpela judicialmente a Revista Veja

O deputado federal Vieira da Cunha (RS), presidente nacional do PDT, encaminhou hoje (19/05) à assessoria jurídica do partido seis perguntas (abaixo) à Revista Veja, a serem feitas na forma de interpelação judicial. A atitude é uma reação à reportagem de capa da “Veja” desta semana, que atribui ao PDT participação em supostos esquemas de corrupção envolvendo empréstimos do BNDES. “Estou zelando – como é meu dever – pela imagem do PDT. A interpelação é uma oportunidade para a revista se explicar das acusações levianas contra o partido. Se as explicações não forem convincentes, ingressarei em juízo visando à reparação moral do partido”, anunciou Vieira.

Pela Lei de Imprensa, Art. 25º, a revista tem 48 horas para dar as explicações requeridas. 

Interpelação Judicial PDT X VEJA

1) A matéria afirma, em sua chamada, pág. 52, que “a PF desmontou o esquema da Força Sindical e do PDT no BNDES”. O que a revista “VEJA” quer dizer com a expressão “esquema” e, em tal “esquema do BNDES”, no que participou, objetivamente, o PDT como instituição partidária?

2) À pág. 53, a matéria afirma que o PDT tem “um cofre clandestino”. Que cofre é esse? Quem é o responsável por ele? Que montante de dinheiro e/ou valores guarda e qual a sua origem? Onde se localiza?

3) Na mesma pág. 53, “VEJA” afirma que “Já está claro que, hoje, Força e PDT são duas organizações siamesas também no plano financeiro”. Pergunta-se: que tipo de relação existe entre o PDT e a Força Sindical no plano financeiro? Que valores foram repassados entre uma e outra organização? De que forma e quando ocorreram tais transferências de recursos?

4) Ao pé da pág. 53 e no início da próxima, “VEJA” afirma que “o PDT, a Força Sindical e o Ministério do Trabalho se converteram numa central única de interesses”. Que interesses são esses? Revestem-se de caráter ilícito? Por quê?

5) Ao pé da pág. 55, Luiz Fernando Emediato é citado como “tesoureiro informal do PDT”. O que a revista quer dizer com a expressão “tesoureiro informal” e que tipo de atividade ligada às finanças do PDT exerce ou exerceu o Sr. Luiz Fernando Emediato?

6) À pág. 57, “VEJA” afirma: “Desde que Paulinho comanda a tomada da sigla pela Força, essa boa imagem se estilhaçou e o PDT começou a freqüentar as páginas policiais. Com Paulinho e a Força no leme, o partido agora se vê diretamente envolvido em uma denúncia de corrupção, a de fraudes de empréstimos do BNDES”. Pergunta-se: de que forma a sigla PDT foi tomada pela Força Sindical? Em que fato se baseia a revista para afirmar que Paulinho e a Força estão “no leme” do PDT? De que ato concreto de corrupção envolvendo fraudes de empréstimos do BNDES participou o PDT?